China concedeu US$ 3,7 bilhões à BYD para “vencer” a corrida dos carros elétricos

By | 18/04/2024

Um novo estudo alemão revela que a China tem subsidiado seus setores de tecnologia verde, com foco na empresa nacional de veículos elétricos BYD, que recebeu pelo menos US$ 3,7 bilhões em subsídios.

China tem subsidiado fortemente seus setores de tecnologia verde, com destaque para a empresa nacional de carros elétricos BYD, que recebeu subsídios no valor de “pelo menos” US$ 3,7 bilhões, de acordo com um novo estudo alemão.

O estudo, conduzido pelo Instituto Kiel de Economia Mundial da Alemanha, revelou que a BYD recebeu um aumento significativo em subsídios diretos do governo chinês, passando de US$ 220 milhões em 2020 para US$ 2,1 bilhões apenas dois anos depois. Esses subsídios representaram um aumento nas receitas comerciais da BYD, subindo de 1,1% em 2020 para 3,5% em 2022. Além disso, a empresa recebe subsídios de compra consideravelmente maiores para carros elétricos na China, em comparação com outros fabricantes domésticos e estrangeiros.

A Europa expressou preocupação com o impacto desses subsídios, à medida que as empresas chinesas de veículos elétricos e tecnologia verde emergem como concorrentes poderosos em todo o mundo. Em resposta, a União Europeia iniciou uma investigação formal sobre a indústria de veículos elétricos da China em outubro de 2023. A investigação foca nos subsídios e campanhas de empréstimos bancários fornecidos por Pequim, que impulsionaram o crescimento exponencial da indústria chinesa.

imagem mostra carros elétricos

Há temores de que a China esteja construindo fábricas de veículos elétricos em excesso, muito além da demanda doméstica. Como resultado, a Comissão Europeia está considerando a imposição de tarifas retroativas sobre os veículos elétricos chineses para proteger a indústria automotiva europeia.

Segundo o Instituto Kiel, a China concedeu pagamentos diretos a praticamente todas as suas empresas listadas, incluindo as do setor de energia eólica, solar e ferroviária – colocando sua ajuda em até nove vezes mais alta do que o valor oferecido por grandes países da UE e da OCDE, como Alemanha e EUA, afirmou o relatório.

Enquanto isso, os Estados Unidos e a Europa vêm endurecendo suas regras sobre carros chineses e peças para veículos elétricos sendo vendidos em seus países, com tarifas tão altas nos EUA que a China direcionou seu foco para outras áreas, principalmente América do Sul, Ásia e Europa. Além disso, a União Europeia estabeleceu um fundo de inovação de US$ 40 bilhões para competir com China e os Estados Unidos por meio da Lei de Redução da Inflação.

Por sua vez, a China declarou que a investigação de subsídios da UE é uma manobra protecionista da Europa, afirmando que suas fabricantes de automóveis estão vencendo porque produzem produtos melhores. Claro, até mesmo o autor do estudo diz que a rápida adoção de tecnologias verdes na Europa, em particular, se deve em grande parte aos produtos baratos provenientes da China.

“A política de subsídios da China tem sido uma questão controversa há anos: as indústrias europeias frequentemente lutam para competir com os concorrentes chineses em termos de preço”, diz Dirk Dohse, diretor de pesquisa do Instituto Kiel e co-autor do estudo. “No entanto, sem a tecnologia subsidiada da China, produtos cruciais para a transformação verde da Alemanha se tornariam mais caros e escassos também.”

A BYD reportou um lucro líquido de US$ 4,16 bilhões (30,04 bilhões de yuans) em comparação com os estimados US$ 4,29 bilhões (30,94 bilhões de yuans), dando-lhe uma considerável margem para subcotar a concorrência com preços agressivamente baixos, como relatamos várias vezes aqui no Electrek. A empresa relatou um aumento de mais de 80% no lucro líquido no ano passado, e não mostra sinais de desaceleração.

(Engenhariae)