A possibilidade de o Efeito Quântico do Gato Cheshire não ser real, entenda

By | 27/01/2024

Em 2013, cientistas nomearam o “efeito quântico do gato Cheshire”, sugerindo que partículas quânticas poderiam se separar de suas propriedades. No entanto, descobertas recentes indicam uma compreensão mais complexa desse fenômeno.

Em 2013, uma equipe de cientistas atribuiu o nome de “efeito quântico do gato Cheshire” a um fenômeno quântico, inspirados pelo personagem homônimo presente na obra “Alice no País das Maravilhas”, do autor inglês Lewis Carroll.

Assim como o gato Cheshire desaparece, deixando apenas vestígios do seu sorriso, os pesquisadores sugeriram que partículas quânticas poderiam se separar de suas propriedades, implicando que essas propriedades poderiam percorrer caminhos independentes da própria partícula. No entanto, novas descobertas sugerem uma compreensão mais matizada desse fenômeno.

Além da sugestão de que o efeito quântico do gato de Cheshire poderia resultar na separação de propriedades, havia a possibilidade de desincorporar simultaneamente várias propriedades e até mesmo separar a dualidade onda-partícula de uma partícula.

Imagem ilustra o Gato de Cheshire para um artigo sobre a A possibilidade de o Efeito Quântico do Gato Cheshire não ser real

No entanto, um estudo recente, publicado na revista científica New Journal of Physics, levanta dúvidas sobre a validade dos resultados dos experimentos que deram origem a esse fenômeno em 2013.

Os pesquisadores esclarecem que as partículas não estavam se separando de suas propriedades; na verdade, estavam exibindo uma característica intrínseca à mecânica quântica conhecida como contextualidade.

Em contraposição à existência de um efeito quântico do gato de Cheshire, os experimentos foram interpretados como produzindo resultados divergentes quando diferentes medições foram realizadas.

Jonte Hance, pesquisador e um dos autores do estudo, da Universidade de Hiroshima (Japão) e da Universidade de Bristol (Inglaterra), esclarece: “A maioria das pessoas sabe que a mecânica quântica é estranha, mas identificar o que causa essa estranheza ainda é uma área ativa de pesquisa. Isso foi lentamente formalizado em uma noção chamada contextualidade, que implica que os sistemas quânticos mudam dependendo das medições realizadas sobre eles”.

Desmistificando o Suposto Efeito Quântico do Gato Cheshire

Imagem ilustra o Gato de Cheshire para um artigo sobre a A possibilidade de o Efeito Quântico do Gato Cheshire não ser real
Efeito do Gato de Cheshire talvez não seja real (Imagem: Alice no País das Maravilhas)

Os cientistas esclarecem em um comunicado oficial que a sequência de medições em um sistema quântico pode resultar em diferentes outcomes dependendo da ordem em que as medições são realizadas.

Esse fenômeno é precisamente o que eles denominam de contextualidade, destacando que a observação do experimento influencia diretamente nos resultados obtidos.

Além disso, enfatizam que consideram incorretas as medições conduzidas em 2013, embora essas medições tenham sido fundamentais para a concepção do suposto efeito quântico do gato Cheshire.

Diante da contestação do paradoxal efeito quântico do gato de Cheshire, a equipe planeja explorar outros fenômenos igualmente considerados paradoxais para determinar se fazem parte da contextualidade na física quântica.

A partir dos dados coletados e de futuras investigações, os cientistas almejam esclarecer a razão pela qual as medições variam entre diferentes sistemas quânticos.

Holger Hofmann, outro professor da Universidade de Hiroshima, ressalta: “Queremos corrigir isso, mostrando que resultados distintos são obtidos ao medir um sistema quântico de maneiras diferentes. A interpretação original do gato de Cheshire quântico só surge se você combinar os resultados dessas diferentes medições de uma maneira muito específica, ignorando, assim, a mudança relacionada à medição”.

Fonte: New Journal of Physics

(Engenhariae)